Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Terça-feira, 18 de Setembro de 2018





MS perde 300 leitos de internação do SUS em 8 anos
Dados foram divulgados pelo Conselho Federal de Medicina


12 de Julho de 2018 - 13:11           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

MS perde 300 leitos de internação do SUS em 8 anos

 
 
De acordo com o levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina, Mato Grosso do Sul perdeu 350 leitos de internação hospitalar em oito anos. Do total, 305 são do Sistema Único de Saúde (SUS). 

As reduções foram feitas ao longo desse período e revela um déficit drástico na saúde pública do Estado. No Brasil, o número ainda é mais impressionante. Ao todo foram 34,2 mil leitos de internação suspensos pelo País.

“Essa conta é a senha para distorções. Enquanto os gestores seguem fechando leitos em todo o País, milhares de brasileiros aguardam na fila do SUS para realizar uma cirurgia eletiva, conforme demonstrou estudo divulgado pelo no fim do ano passado”, criticou o presidente do CFM, Carlos Vital, em nota encaminhada à imprensa. 

Segundo ele, as informações, que revelam o impacto do mau uso das verbas disponíveis e da má gestão administrativa do Sistema, serão encaminhadas para ciência e providências ao Congresso Nacional, Ministério Público Federal (MPU) e Tribunal de Contas da União (TCU). 

ESPECIALIDADES

Entre as especialidades avaliadas, o setor de pediatria foi o que mais sofreu com os cortes no Estado após a redução de 112 leitos de internação nos oito anos que se passaram. Em segundo lugar vem os leitos cirúrgicos, com 68 a menos, seguido de obstétricos, clínicos, outras especialidades e diárias com reduções de 58, 49, 47 e 29 leitos respectivamente. 

TENDÊNCIA MUNDIAL

Em relação ao déficit nacional, o Ministério da Saúde argumenta que a redução do número de leitos hospitalares segue uma “tendência mundial”, que se justifica pelo fortalecimento da atenção ambulatorial ou domiciliar. “Assim como no Brasil, o Reino Unido e o Canadá, que também possuem sistemas universais de saúde, fecharam leitos ao longo das últimas décadas. É preciso destacar, no entanto, que, diferentemente destes países, as políticas de prevenção e promoção à saúde no Brasil não conta com um financiamento adequado”, apontou o presidente do CFM, Carlos Vital.

Dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que, em 2015, apenas 42,8% do gasto total em saúde no Brasil teve a participação direta do Estado (União, estados e municípios). No Reino Unido e Canadá – países costumeiramente citados pelas autoridades como referências para as políticas de saúde do SUS –, as despesas públicas representam, respectivamente, 80,4% e 73,5% do orçamento total destinado à saúde.

ABAIXO DO IDEAL

Além disso, embora a OMS e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) não recomendem ou estabeleçam taxas ideais de leitos por habitante, observar-se que o Brasil também aparece com um dos piores indicadores quando comparado a outros países com sistemas universais.

De acordo com o relatório de Estatísticas de Saúde Mundiais da OMS de 2014 – quando foi apresentado o último dado disponível sobre leitos hospitalares –, o Brasil possuía 23 leitos hospitalares (públicos e privados) para cada grupo de dez mil habitantes. A taxa era equivalente à média das Américas, mas inferior à média mundial (27) ou às taxas apuradas, por exemplo, no Reino Unido (29), Argentina (47), Espanha (31) ou França (64). 

 










Plantão

.
18/09/2018 - 16:09   Justiça do Trabalho inicia mutirão para solucionar processos durante fase de execução
18/09/2018 - 16:07   Candidatos destinam 1,6% dos gastos da eleição de 2018 para mídia virtual
18/09/2018 - 16:04   Polícia encontra mais de meia tonelada de maconha em carro abandonado
18/09/2018 - 16:04   Ministério Público questiona 278 candidatos condenados por órgão colegiado
18/09/2018 - 15:56   Guarda Municipal aposenta mulher da 1ª da Corporação em Dourados
18/09/2018 - 12:40   Quadrilha é presa em MS suspeita de golpes de consórcio em 3 Estados
18/09/2018 - 12:20   Inscrições para mestrado e doutorado em Recurso Naturais na Uems continuam
18/09/2018 - 12:00   País tem safra recorde de frutas, cereais, leguminosas e oleaginosas
18/09/2018 - 11:45   Gaeco deflagra operação contra o tráfico em MS e ´mira´ policiais
18/09/2018 - 11:40   Brasil está na contramão da redução da população carcerária aponta Pastoral Carcerária
18/09/2018 - 11:29   Grêmio abre as quartas de final contra o Tucumán
18/09/2018 - 11:23   HU-UFGD prepara o II Congresso de Ensino e Pesquisa
18/09/2018 - 11:20   Produção de soja em MS deve ultrapassar 10 milhões de toneladas na safra 2018/19
18/09/2018 - 11:14   Brasil tem 61,5 milhões de consumidores inadimplentes
18/09/2018 - 11:00   Orçamento do Luz para Todos em 2019 será de R$ 1,07 bilhão
18/09/2018 - 10:40   SUS poderá oferecer centros de assistência integral à pessoa autista
18/09/2018 - 10:20   Ministério Público orienta agentes para combate ao crime eleitoral
18/09/2018 - 10:00   Após período de baixa, exportações de café crescem 30% em agosto
18/09/2018 - 09:23   Governo oficializa pedido de R$ 6 milhões para Hospital do Trauma
18/09/2018 - 09:16   Troca de tiros entre pistoleiro e traficante mobiliza polícia na fronteira
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!