Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Domingo, 27 de Maio de 2018





Justiça de MS decide manter acusação de homicídio contra assassino de Mayara
Promotoria moveu recurso pedindo caso como latrocínio


16 de Maio de 2018 - 09:42           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

Luís Alberto Bastos Barbosa deve ter destino traçado pelo crime bárbaro em breve - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

 
 

A Justiça de Mato Grosso do Sul decidiu por unanimidade, nesta terça-feira (15), que o músico Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, será julgado por homicídio simples e terá de enfrentar o tribunal do júri pelo assassinato Mayara Amaral, 27, em crime ocorrido em julho do ano passado.

Os três desembargadores do Tribunal de Justiça que julgaram o caso recusaram o recurso feito pelo Ministério Público Estadual, que pedia pela mudança da acusação contra Barbosa para latrocínio (morte em assalto).

De acordo com o parecer, agora o caso estará novamente nas mãos da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, que determinará as qualificadoras contra Barbosa pelo crime de homicídio e o juíz que assumirá o caso. Não há datas previstas para a distribuição do caso.

HISTÓRICO

A Justiça Estadual deferiu pedido da defesa de Luís Alberto Bastos Barbosa e vai julgá-lo pelo crime de feminicídio. Ele é acusado de matar a violonista Mayara Amaral, na noite de 24 de julho.

O inquérito policial havia indiciado Barbosa por latrocínio (roubo seguido de morte) e ocultação de cadáver.

A partir da decisão dada pelo juiz Wilson Leite Corrêa, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande, em 9 de outubro, o julgamento do acusado será feito pelo Tribunal do Júri. Depois de sorteio, a ação está agora na 2ª Vara do Júri, com o magistrado Aluízio Pereira dos Santos.

O Ministério Público Estadual recomendou que o processo permanecesse na Vara Criminal como latrocínio. A principal discussão em torno da tipificação do crime praticado é por conta do tamanho da pena máxima que pode ser aplicada, bem como os artifícios que a defesa pode utilizar. Em tese, no Tribunal do Júri há mais recursos jurídicos do que se a ação tramitasse na Vara Criminal.

Wilson Leite Corrêa acatou argumentos da defesa do acusado de que o crime não foi cometido inicialmente com a proposta de roubar Mayara. Além de tê-la matado, o também músico roubo um Gol 1992, um notebook, um telefone celular, uma guitarra, um amplificador, equipamentos que tem valor aproximado de R$ 17,3 mil.

A vítima foi morta a marretadas no rosto. Depois de ter sido assassinada, o corpo dela foi desovado e queimado.

Mayara Amaral, morta a marteladas em julho de 2017

Foi relatada na ação que Mayara e Luís Alberto tinham um relaciomento que estava conturbado e em 16 de julho a vítima teria escrito uma carta ao acusado para informar que acabaria com o caso. Contudo, no dia 24 de julho os dois encontraram-se e pernoitaram em motel. No local foi onde ocorreu o assassinato.

"Acusado sustentou que os fatos narrados na denúncia, bem como as circunstâncias que envolveram o crime e sua motivação traduzem prática de feminicídio, de modo que o juízo competente para julgar a ação seria o Tribunal do Júri", informou nota do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

MUDOU VERSÃO

Quando foi preso, Luís Alberto apontou para a Polícia Civil que tinha agido com outras duas pessoas. Uma delas teria ido ao motel com o casal. Ele chegou a dizer que o outro suspeito era quem tinha dado as marretadas em Mayara.

Depois de apuração, versão foi contrariada e o acusado assumiu que agiu sozinho, apenas tinha vendido o carro para uma das pessoas apontadas como envolvidas no assassinato. Outro homem seria apenas traficante que fornecia drogas a ele.

“A análise dos elementos de prova produzidos até este momento processual indica que o acusado não teria empregado a grave violência como meio para subtrair os bens da vítima, mas sim teria se apropriado dos bens da mesma, após o resultado da morte desta, visando assegurar a impunidade do eventual delito de homicídio que havia cometido em momento anterior", explicou o juiz Wilson Leite Corrêa para justificar a remessa do processo ao Tribunal do Júri.











Plantão

.
26/05/2018 - 15:36   Caminhoneiros continuam protesto de forma pacífica em Mato Grosso do Sul
26/05/2018 - 15:21   Preso em batalhão dos bombeiros, Azeredo tem comida especial
26/05/2018 - 15:18   Miss Brasil 2017 diz que nova vencedora precisa ter ´gingado, brilho e borogodó´
26/05/2018 - 15:15   Com 66% dos votos, Irlanda decide pela legalização do aborto
26/05/2018 - 15:07   Seleção recebe familiares na Granja, e Marquezine visita Neymar
26/05/2018 - 14:02   Após negar redução do ICMS, governador se diz “a disposição das categorias”
26/05/2018 - 09:27   Festival América do Sul Pantanal movimenta Corumbá até domingo
26/05/2018 - 09:25   De topless, Bruna Marquezine deixa tatuagem a mostra em foto
26/05/2018 - 09:22   Homem é morto com facada nas costas enquanto escolhia músicas em bar
26/05/2018 - 09:20   Governo publica decreto que autoriza uso das Forças Federais
26/05/2018 - 09:19   Mega-Sena acumulada pode pagar prêmio de R$ 10 milhões neste sábado
26/05/2018 - 09:18   Homem é morto a tiros durante tentativa de assalto
26/05/2018 - 09:17   Soldado do Exército é preso acusado de furto de bicicleta
26/05/2018 - 09:15   Novoperário e Corumbaense buscam vagas na 2ª fase do Brasileiro
26/05/2018 - 09:14   Indígena é executado a tiros em plena luz do dia e polícia investiga
26/05/2018 - 09:13   Hospital Cassems cria oportunidades para jovens em situação de risco
25/05/2018 - 20:15   Itaporã fará ação mobilizadora no Dia Mundial sem Tabaco
25/05/2018 - 20:00   Itaporã fica sem transporte universitário até final da greve dos caminhoneiros
25/05/2018 - 14:43   Em reunião inédita, governador ouve demandas de cada um dos segmentos industriais do Estado
25/05/2018 - 12:35   Governo usará Exército para desobstruir rodovias, diz fonte
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!