Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Terça-feira, 21 de Agosto de 2018





Justiça de MS decide manter acusação de homicídio contra assassino de Mayara
Promotoria moveu recurso pedindo caso como latrocínio


16 de Maio de 2018 - 09:42           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 

Luís Alberto Bastos Barbosa deve ter destino traçado pelo crime bárbaro em breve - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

 
 

A Justiça de Mato Grosso do Sul decidiu por unanimidade, nesta terça-feira (15), que o músico Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, será julgado por homicídio simples e terá de enfrentar o tribunal do júri pelo assassinato Mayara Amaral, 27, em crime ocorrido em julho do ano passado.

Os três desembargadores do Tribunal de Justiça que julgaram o caso recusaram o recurso feito pelo Ministério Público Estadual, que pedia pela mudança da acusação contra Barbosa para latrocínio (morte em assalto).

De acordo com o parecer, agora o caso estará novamente nas mãos da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, que determinará as qualificadoras contra Barbosa pelo crime de homicídio e o juíz que assumirá o caso. Não há datas previstas para a distribuição do caso.

HISTÓRICO

A Justiça Estadual deferiu pedido da defesa de Luís Alberto Bastos Barbosa e vai julgá-lo pelo crime de feminicídio. Ele é acusado de matar a violonista Mayara Amaral, na noite de 24 de julho.

O inquérito policial havia indiciado Barbosa por latrocínio (roubo seguido de morte) e ocultação de cadáver.

A partir da decisão dada pelo juiz Wilson Leite Corrêa, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande, em 9 de outubro, o julgamento do acusado será feito pelo Tribunal do Júri. Depois de sorteio, a ação está agora na 2ª Vara do Júri, com o magistrado Aluízio Pereira dos Santos.

O Ministério Público Estadual recomendou que o processo permanecesse na Vara Criminal como latrocínio. A principal discussão em torno da tipificação do crime praticado é por conta do tamanho da pena máxima que pode ser aplicada, bem como os artifícios que a defesa pode utilizar. Em tese, no Tribunal do Júri há mais recursos jurídicos do que se a ação tramitasse na Vara Criminal.

Wilson Leite Corrêa acatou argumentos da defesa do acusado de que o crime não foi cometido inicialmente com a proposta de roubar Mayara. Além de tê-la matado, o também músico roubo um Gol 1992, um notebook, um telefone celular, uma guitarra, um amplificador, equipamentos que tem valor aproximado de R$ 17,3 mil.

A vítima foi morta a marretadas no rosto. Depois de ter sido assassinada, o corpo dela foi desovado e queimado.

Mayara Amaral, morta a marteladas em julho de 2017

Foi relatada na ação que Mayara e Luís Alberto tinham um relaciomento que estava conturbado e em 16 de julho a vítima teria escrito uma carta ao acusado para informar que acabaria com o caso. Contudo, no dia 24 de julho os dois encontraram-se e pernoitaram em motel. No local foi onde ocorreu o assassinato.

"Acusado sustentou que os fatos narrados na denúncia, bem como as circunstâncias que envolveram o crime e sua motivação traduzem prática de feminicídio, de modo que o juízo competente para julgar a ação seria o Tribunal do Júri", informou nota do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

MUDOU VERSÃO

Quando foi preso, Luís Alberto apontou para a Polícia Civil que tinha agido com outras duas pessoas. Uma delas teria ido ao motel com o casal. Ele chegou a dizer que o outro suspeito era quem tinha dado as marretadas em Mayara.

Depois de apuração, versão foi contrariada e o acusado assumiu que agiu sozinho, apenas tinha vendido o carro para uma das pessoas apontadas como envolvidas no assassinato. Outro homem seria apenas traficante que fornecia drogas a ele.

“A análise dos elementos de prova produzidos até este momento processual indica que o acusado não teria empregado a grave violência como meio para subtrair os bens da vítima, mas sim teria se apropriado dos bens da mesma, após o resultado da morte desta, visando assegurar a impunidade do eventual delito de homicídio que havia cometido em momento anterior", explicou o juiz Wilson Leite Corrêa para justificar a remessa do processo ao Tribunal do Júri.











Plantão

.
20/08/2018 - 23:27   APAE de Itaporã abre a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla
20/08/2018 - 22:49   Uma mulher foi presa e acusada de embriaguez ao volante em Itaporã
20/08/2018 - 16:39   Carreata do Zé Gotinha alerta sobre importância da vacinação infantil
20/08/2018 - 16:25   MPE pede que TSE recuse candidatura de Lula: ´Está inelegível´
20/08/2018 - 16:16   TRE-MS disponibiliza sistema para denúncias de práticas eleitorais ilegais
20/08/2018 - 16:15   Menina denuncia padrasto após estupros em série
20/08/2018 - 16:14   Fechamento de fronteira com Venezuela é impensável, diz Etchegoyen
20/08/2018 - 16:13   Baixa procura faz aérea cancelar voo entre Campo Grande e Assunção
20/08/2018 - 16:08   Estudante assassinada no Paraguai é filha de ex-prefeito no MT
20/08/2018 - 15:40   Governo define medidas para solucionar entrada de venezuelanos em Roraima
20/08/2018 - 14:35   Mais de 500 candidatos usam títulos religiosos no nome de urna
20/08/2018 - 14:05   Papa apela a católicos que ajudem a combater abusos
20/08/2018 - 13:56   Exército diz que 1,2 mil venezuelanos saíram do Brasil após violência
20/08/2018 - 13:45   Sicredi celebra 30 anos com festa para família no Belmar Fidalgo na véspera do aniversário da Capital
20/08/2018 - 13:35   Plano econômico de Nicolás Maduro entra em vigor na Venezuela
20/08/2018 - 13:03   Acusado da morte de Elvis Neguinho tem prisão preventiva decretada
20/08/2018 - 12:50   Felipe Fraga e Ricardo Zonta foram os ´nomes´ da sétima etapa da Stock Car
20/08/2018 - 12:35   Polícia apreende 800 mil maços de cigarros km 21 da BR-463 em Dourados
20/08/2018 - 12:25   Rauali Kind Mascarenhas é o novo Delegado de Policia Civil em Itaporã
20/08/2018 - 12:20   Alckmin pode perder tempo de propaganda na TV e rádio
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!