Contato: (67) 98186-1999 - Mande um whats!
Home | Notícias | Fotos | Vídeos | Anúncie | Contato

Terça-feira, 18 de Setembro de 2018





Copa da Rússia poderá ter primeira ´final de zebras´
A Copa de 2018 pode entrar para a história como a que levou duas zebras à final.


10 de Julho de 2018 - 08:47           principal  |  imprimir - Enviar Materia

 
A Copa do Mundo reúne atualmente 32 seleções. Entre 1982 e 1994 foram 24 seleções e, antes disso, um número ainda menor de países disputava o mundial de futebol. As chamadas “zebras” – seleções menos tradicionais ou teoricamente mais fracas vencendo seleções favoritas – acontecem em todas as copas. As finais de mundiais, no entanto, não costumam abrir espaço para zebras e recebem seleções tradicionais, acostumadas às fases mais agudas da competição. A Copa de 2018 pode entrar para a história como a que levou duas zebras à final.

Bélgica e Croácia são dois bons times e chegaram às semifinais com méritos, mas não têm tradição de participar de finais de copas. Ambas igualam o maior feito já conquistado em sua história e chegam apenas pela segunda vez a esta fase da competição. Em 1986, a Bélgica chegou a uma semifinal e a Croácia atingiu o mesmo estágio em 1998.

Mesmo sendo esperado que os dois times chegassem este ano à fase eliminatória, eram poucos, antes de a competição começar, que imaginavam essas seleções na final, o que nunca ocorreu. A possibilidade não está distante.

Pelo time que tem, a Bélgica ter chegado às quartas de final não causa espanto. Mas, ainda que seja um bom time, o favoritismo era do Brasil, que vinha mostrando futebol consistente. Os belgas inverteram a lógica e superaram os pentacampeões com aplicação tática.

A Bélgica utiliza um esquema que se adapta ao adversário. O técnico Roberto Martinez soube adaptar seu time para enfrentar a seleção brasileira. O atacante Lukaku, por exemplo, tem as características de um centroavante que fica perto da área esperando bolas aéreas. Mas Martinez aproveitou o gol feito no início do jogo e o colocou na ponta direita, puxando contra-ataques em velocidade. Enquanto isso, De Bruyne mudou de posição e foi o jogador mais parecido com um centroavante, confundindo a marcação montada por Tite. Assim como se adaptou para enfrentar o Brasil, a Bélgica deverá mudar a forma de jogar na partida desta terça-feira contra a França.

Croácia e Inglaterra

Na outra partida, a Croácia pegou o caminho considerado mais fácil até as semifinais mas, curiosamente, foi a seleção que teve mais dificuldade para se manter na Copa. Apesar de ter se classificado em primeiro lugar em um grupo com a Argentina de Messi e tendo, inclusive, vencido os argentinos sem dificuldade, a Croácia só superou a Dinamarca, nas oitavas, e a Rússia, nas quartas, na disputa de pênaltis. O meio campo talentoso do técnico Zlatko Dalic vem encontrando problemas para vencer os jogos eliminatórios.

Contra uma Inglaterra que vem subindo de produção a cada jogo, uma vitória da Croácia – ainda que nos pênaltis – poderá confirmar uma zebra na final da Copa do Mundo.

O mundo viu, em copas passadas, situação parecida com a atual. Em 1994, a final poderia ter sido entre Bulgária e Suécia, mas essas seleções acabaram derrotadas pela Itália e o Brasil nas semifinais. Em 2002, a Turquia e a Coreia do Sul estiveram perto de disputar uma final, mas tiveram que se contentar em entrar em campo para a disputa do terceiro lugar.

Por outro lado, França e Inglaterra serão responsáveis por manter as tradições do torneio e fazer uma final entre seleções tradicionais no cenário mundial. Esta pode ser a primeira vez que duas seleções, com um título mundial cada, se enfrentem na briga pelo título. Ambas foram campeãs quando sediaram o torneio. A Inglaterra foi campeã em 1966 e a França em 1998.

Agência Brasil










Plantão

.
18/09/2018 - 12:40   Quadrilha é presa em MS suspeita de golpes de consórcio em 3 Estados
18/09/2018 - 12:20   Inscrições para mestrado e doutorado em Recurso Naturais na Uems continuam
18/09/2018 - 12:00   País tem safra recorde de frutas, cereais, leguminosas e oleaginosas
18/09/2018 - 11:45   Gaeco deflagra operação contra o tráfico em MS e ´mira´ policiais
18/09/2018 - 11:40   Brasil está na contramão da redução da população carcerária aponta Pastoral Carcerária
18/09/2018 - 11:29   Grêmio abre as quartas de final contra o Tucumán
18/09/2018 - 11:23   HU-UFGD prepara o II Congresso de Ensino e Pesquisa
18/09/2018 - 11:20   Produção de soja em MS deve ultrapassar 10 milhões de toneladas na safra 2018/19
18/09/2018 - 11:14   Brasil tem 61,5 milhões de consumidores inadimplentes
18/09/2018 - 11:00   Orçamento do Luz para Todos em 2019 será de R$ 1,07 bilhão
18/09/2018 - 10:40   SUS poderá oferecer centros de assistência integral à pessoa autista
18/09/2018 - 10:20   Ministério Público orienta agentes para combate ao crime eleitoral
18/09/2018 - 10:00   Após período de baixa, exportações de café crescem 30% em agosto
18/09/2018 - 09:23   Governo oficializa pedido de R$ 6 milhões para Hospital do Trauma
18/09/2018 - 09:16   Troca de tiros entre pistoleiro e traficante mobiliza polícia na fronteira
18/09/2018 - 09:13   Seis dias depois de operação, Polaco se apresenta na PF em Brasília
18/09/2018 - 09:10   Plantio de soja tem início com chuva e previsão de alta de 4%
18/09/2018 - 09:08   À espera de julgamento, 4 mil veículos viram sucata em delegacias
18/09/2018 - 09:06   Multa máxima à MSVia não ultrapassa 3,5% da receita anual
18/09/2018 - 09:06   Ladrão agride empresária que saía de banco e rouba R$ 29 mil na Capital
 
 


















Itapora Agora - Onde a Noticia Acontece

(67) 98186-1999 - Mande um whats!